A Locomotiva Fashion da Louis Vuitton

Admito que não acompanho a agenda de desfiles, vejo os releases e se bate com um horário que eu to livre acabo vendo um livestreaming ou algo do tipo. Pois hoje acordei e uns sites gringos que leio comentaram que o desfile da Louis Vuitton estava prestes a começar, pois tomei meu café da manhã quase que trabalhando.
Trabalhando não, me deliciando, porque o desfile foi maravilhoso!
Cenografia impecável, vindo do histórico recente da Vuitton com elevadores, hotéis antigos e um carrosel de modelos, não dava pra esperar pouca coisa… E Marc Jacobs não decepciona, nunca! Uma locomotiva linda trouxe as modelos para a passarela, que era uma estação ferroviária. Lindo de ver e acompanhar.
As famosas bolsas e malas da marca, que foram o destaque depois da cenografia, eram levadas ao lado das modelos por homens vestidos como maquinistas. Vimos couro, muita pele e diversos tamanhos: das mini as maxi bolsas e malas.
O couro também apareceu em vestidos e casacos, bem trabalhado com aspecto brilhante, contrapondo com o mesmo mais opaco, ora acompanhando brilhos ora acompanhando detalhes de pele nas golas. Aliás aplicações de brilho e bordado apareceram em looks inteiros, acompanhando a paleta sóbria escolhida pela marca.
Nos shapes foram re-apresentados classicos: casacos em linha A, vestidos retos e saias sobrepostas a calças retas. Golas altas reapareceram em veludo especialmente e botões que se assemelhavam a broches, tanto no tamanho quanto no cuidado. O comprimento continuou midi, exceto para alguns casacos, mas valendo até para as calças que ficaram pela altura do tornozelo.
Se fosse pra jogar uma década de referência passaria perto da segunda guerra, tanto pela cores quanto pelo styling usado, me lembrou algumas imagens de aulas e livros de indumentária, e até filmes clássicos.
Com isso vem uma teoria que percebi em algumas fotos, desfiles e coleções: já faz um tempo que olhamos para décadas anteriores como fonte de inspiração, passamos pelos anos 70 e 60 recentemente e estamos voltando mais: franjas vindas do jazz dos anos 20, minimalismo não menos feminista de entre guerras. Vemos as tendências se focando em épocas que o consumo desenfreado não era o foco, o contrário do que vemos hoje. Não falo isso como uma tendência comportamental efêmera, acho mesmo que será o nosso background daqui alguns anos, antes que precisemos reciclar roupas, literalmente.

Fotos: Style.com

Anúncios

Paris Fashion Week S/S 2012 – Masculino

Dior Homme

Unindo a tradicional sofisticação da Dior com os traços minimalistas das roupas usadas pelos Samurais, o estilista Belga Kris Van Assche – diretor criativo da Dior Homme – apresentou uma belíssima coleção para a primavera verão 2012.

A alfaiataria clássica ganha ar despojado e descontraído com os recortes e desconstruções aplicadas em algumas peças. Ganhou destaque as peças de silhuetas amplas com modelagens e elementos retirados dos uniformes de Samurais como as camisas sem manga, gola V e faixas na cintura.

Em resumo, com uma coleção completamente simples e austera o estilista Kris Van Assche atingiu um resultado final extremamente sofisticado e poderoso.

John Galliano

Esta foi a primeira coleção da grife sem a assinatura do gênio estilista John  Galliano que tem como sucessor o estilista Bill Gaytten. Para a coleção verão 2012 Bill teve como referência a Londres dos anos sessenta, apresentada de forma literal logo no primeiro look do desfile reproduzindo o clássico uniforme da Guarda Nacional Britânica.

A Pop Art dos artistas David Hockney e Peter Blake foi outra referência usada pelo estilista para desenvolver as estampas com pegada mais artística. O mood geek e militar também permeou a coleção com ternos, calças, bermudas, suéteres e casaquetos de cores alegres como o azul, verde, rosa e amarelo.

 No fim do desfile a passarela foi invadida por looks mais sóbrios de shapes ajustados ao corpo conferindo um ar sexy, com muitos acessórios e elementos. É possível visualizar o próprio John Galliano em alguns looks.

Louis Vuitton

 O estilista que substitui Marc Jacobs,  Kim Jones inspirou-se na vida do fotógrafo Peter Beard  consagrado na década de 60-70 por dedicar boa parte de sua vida e trabalho à África.

 No seu desfile de estréia, Jones trouxe um safári-chic para a passarela em looks que remetem a roupas de guardas-florestais.

Na contramão foram apresentadas também peças com uma pegada mais esportiva, como os shorts de comprimento míni, trench coats, e suéteres. Destaque para as jaquetas “Windbreakers” – tipo específico de jaqueta que impede a passagem do vento – e as “Versaty” – modelo colegial muito usado pelos estudantes americanos da elite.

Kenzo

 O estilista Antonio Marras trouxe muita cor e inúmeras flores para o verão 2012 da grife Kenzo.

 Os ternos estavam presentes em praticamente todos os looks, coordenados com calças – quase sempre com a barra dobrada – e bermudas.

 Eu notei certa semelhança nesta coleção com a que foi apresentada pela D&G na semana de Moda de Milão há algumas semanas atrás, nas estampas de camisas, calças e bermudas que lembram desenhos dos clássicos lenços de seda, será tendência ou apenas uma coincidência-fashion?

Louis Vuitton Spring 2011 | Revolta com a “Mulher LV”

A  nova coleção da Louis Vuitton tah tipo assim num clima de muito brilho, muito ouro, muito peruísmo e animal prints… rica, beeem rica! Assim que eu assisti o desfile me apaixonei de primeira, as referências  óbvias de um circo oriental estavam nítidas pra mim nos leões presentes na passarela, na cortina, nos leques etc…  Eu particularmente a-do-rei tudo!  Dias atrás estava twittando com a Top blogueira Ana Garmendia do Moda Paris sobre as liquidações que acontecem nesta época do ano, as ótimas oportunidades etc… quando ela comentou que a Louis Vuitton é a única grife que nunca faz liquidação. Depois disso eu ainda fiquei um bom tempo pensando no assunto e resolvi expôr aqui minha revolta com um certo grupinho de mulheres clientes da Louis Vuitton que nem sempre… digamos assim… entende muito de Moda, mas não quer fazer feio! …desta forma talvez como uma maneira de compensar a “ignorância fashion” esta “cliente-erro” faz questão de  deixar explícito sua posição social desfilando os famosos ologramas “LV”  por toda parte, de preferência em malas, muuuuuuuuuuuuuuuitas malas é ca-la-ro! (Ostentação JÁ!)

Não tem jeito to-da vez que eu vejo aquelas mulheres dos jogadores de futebol – que nem imaginam quem seja Marc Jacobs –  com pilhas e pilhas de malas Louis Vuitton eu acabo ficando um pouco revoltado, pode parecer besteira masssssss enfim… eu gostaria de deixar bem claro que eu tenho muito respeito pela grife Louis Vuitton e adóro o excelente trabalho do Marc, o que me incomoda realmente é um (grande) grupo de clientes.

Abaixo estão as fotos da campanha clicadas por Steven Meisel com Freja Beha, Raquel Zimmermann e Kristen McMenamy.

Imagens: Reprodução

Industrie #2 2010 | Marc Jacobs by Patrick Demarchelier

 

A revista semestral Industrie, que mira os holofotes à personalidades que influênciam na moda e dedica-se a mostrar com um olhar crítico os bastidores do mundo fashion;  traz em sua segunda edição, o estilista Marc Jacobs! O ensaio foi fotografado por Patrick Demarchelier, com styling de Katie Grand.

 

Imagens: Reprodução

Marc Jacobs Spring 2011 | New York Fashion Week

Imagens: Reprodução

Marc by Marc Jacobs Spring 2011 | New York Fashion Week


Imagens: Reprodução