Os vídeos da Dior

A pessoa fica um mês sem postar, e quando volta vai falar da mesma marca do último post. Se a gente fosse do conglomerado de blogs xis,  certeza que iam dizer que eu era paga por eles pra fazer isso (não que eu fosse achar um problema ser paga pela Dior)…

Brincadeiras a parte, a Dior, nossa maison-brand-whatever do coração, soltou esse mês dois vídeos fantásticos:  O primeiro, feito em Versailles e dirigido por nada menos que Inez e Vinoodh, os fotográfos holandeses que expuseram no SPFW no ano passado. Não menos amor é a escolha da trilha Enjoy the Silence com Depeche Mode, o resultado é esse aqui:

 

O segundo vai polemizar um pouco mais, tem a ver com “customizar” sua própria it-bag, nesse caso a Lady Dior. Achei a experiência do vídeo ótima e, talvez, se eu tivesse condições de ter algumas (aka várias) faria algumas intervenções sim, acho que personalidade própria em todos os casos é uma delícia. Porém, voltando ao vídeo, a Dior convidou a blogueira-ilustradora-fotografa Garance Doré pra viver essa experiência em Tókio e retratá-la de alguma maneira na sua Lady Dior.

Achei a idéia da ilustração, dos pingentes e da alça ótimas, to pensando seriamente em aderir na minha, alguém mais faria?

O fim do drama e uma uma nova era..

Essa semana a Dior resolveu acabar com a novela mexicana que pairava sobre a nomeação de um novo diretor criativo. O escolhido, o estilista minimalista belga Raf Simons, tem um estilo totalmente diferente de seu antecessor, e muy querido por esses que vos escrevem, John Galliano.
Raf Simons vem de uma formação em design industrial e começou sua carreira criando móveis, até abrir sua própria marca em 1995, a Raf Simons. O estilista belga também comandou a Jil Sander até fevereiro do ano passado, onde apresentou sua última coleção em Milão, e foi ovacionado pelo maravilhoso trabalho que desenvolveu com a marca.

A última coleção do estilista pra Jil Sander...


E a última coleção de RTW do Galliano, pra Dior...

Conheço pouco o trabalho dele pra poder opinar, mas esse pouco me mostra que a Dior tomará mesmo novos rumos.
Não falando com pessimismo, mas acredito que os ‘shows’ da alta costura não serão mais os mesmos. Na minha opinião, uma nova era que se iniciou no último desfile da marca, será continuada. Por enquanto o estilista ainda não trabalhou com couture e sua primeira coleção será apresentada pela maison em julho. Até lá, desejamos boa sorte e esperamos com muitas expectativas o que vem pela frente.

Style Tips II: O tal do terno

Existem partes no guarda roupas, seja ele feminino ou masculino, que costumamos brincar que são pequenos investimentos. São aquelas peças necessárias, que você hora ou outra vai precisar e tem um custo mais elevado. Pro caso masculino o terno é um bom exemplo, aqui consideramos o terno como o “costume” ou seja, a calça e o paletó, enquanto o terno de verdade era/é composto de três peças: Colete, Paletó e Calça.
O preço de um bom terno é elevado, junto com ele vem um serviço de alfaiate pra ajustes no corpo do cliente, porque é de suma importância que o terno vista muito bem, mais que qualquer outra roupa do armário.
São três tipos básicos de corte: o clássico ou americano, o italiano e o inglês, cada um deles tem sua peculiaridade. O clássico é reto tanto no paletó quanto a calça, esconde as formas de quem usa (e na minha modesta opinião é meio vintage de uma maneira não legal). O italiano que é levemente acinturado no paletó e com a calça mais baixa e um pouco mais “sequinha”, e o inglês que é mais acinturado que o clássico, porém menos que o italiano e com uma calça certinha e não justa. Também pode-se utilizar das fendas na parte de trás e das pregas nas calças para garantir maior conforto. Se você é uma pessoa que combina o paletó em outras ocasiões, além das especiais e/ou do trabalho, vale investir em mais de uma cor, manter um linho junto ao preto ou cinza mais clássico é uma dica bem valiosa.
Então escolhido o terno, e você se achou tão bem nele que não quer deixá-lo no armário por muito tempo e está procurando idéias de como vestir em outras ocasiões… Você ganhou pontos comigo! Haha.

Uma idéia é usar com o jeans e camisetas em ocasiões mais informais, trocando o sapato por um têninhos mais casual, por exemplo. Contrastar a cor do blazer com a calça também cria essa informalidade, mas é sempre bom atenuar as cores que você está usando junto ao seu tipo físico.
Juntar o paletó com a dica da semana passada para as barras da calça também deixam esse efeito super evidente e com um ar moderninho.

Imagens: Reprodução

Pra ficar de olho: estampas estilo Versace

Desde o ano passado, mais precisamente quando eu estava com o Jeff vendo as fotos do desfile masculino da D&G de Verão 2012, reparei nas estampas usadas por eles: eram exageradas, coloridas e de alguma maneira eu conhecia, só não conseguia me lembrar de onde.


Dai que meados do segundo semestre comentamos aqui sobre a parceria da Versace com a H&M e quando eu vi o look book todo lembrei das ditas estampas novamente e de onde elas tinham surgido: Gianni Versace, irmão e criador da Versace, que fez muito sucesso nos anos 80 e 90.



A D&G também re-apresentou essa trend no seu último desfile feminino, inspirada em lenços, esses prints grandes apareceram nas peças de uma maneira mais moderninha que me fizeram repensar e até gostar desses prints grandes, coloridos, com bastante informação e elementos, além de alguns fashionistas que apareceram em sites de street style usando seus bons artigos vintage ou suas peças da H&M.


Suspeito que aqui no Brasil a gente vá encontrar mais no verão, até porque nosso inverno está mais “suave”, pelo que acompanhei das nossas semanas de moda, mas é uma dica pra gente acompanhar no decorrer desse ano e talvez tirar algumas relíquias do armário!

And all that jazz…

Estamos aqui na segunda semana do ano, Fashion Rio e SPFW batendo na porta e os pre-falls estão aí desde dezembro. Vocês bem sabem que não sou a melhor pessoa pra comentar desfiles e coisas do tipo, mas, durante meu tempo livre dei uma olhadinha no Style.com e fui conquistada por uma foto da Emporio Armani, que me fez ver as treze disponíveis no site…

Diferente de outros estilistas eles não suavizaram, deixaram tudo invernal, escuro, com cara de friozinho europeu com sentimento de nostalgia dos anos 20, o que restou da primavera. Ficaram franjas, cinturas desmarcadas, veludo e pois em lã, e pra suavizar um pouquinho, tons de rosa-malva salpicados em vestidos, contrastando com chapéus e trejeitos mafiosos, que me lembraram figurinos do último filme do Woody Allen que eu assisti.

Fotos: Style.com

Adieu 2011!

Já dizia uma das músicas mais cantadas essa semana “adeus ano velho…”

Esse segundo semestre de 2011 foi uma loucura sem fim, muito trabalho e tanta informação que a gente nem viu o ano acabar, bom eu to vendo agora pelo menos. 

Eu desejo pra todos que leem o DPFF, e pros meus amigos que escrevem aqui (e que eu realmente sinto falta diariamente) um fim de ano maravilhoso. Que 2012 seja incrível pra cada um de vocês e que não tenham mil desejos, mas o suficiente pra conseguir realizar durante o próximo ano.

Se cuidem e ano que vem voltamos com novidades (e posts frequentes!)

Bisous!

Dior Couture by Patrick Demarchelier

Hello Fashionistas! Primeiramente peço desculpas aos leitores que acompanham e curtem o DPFF pela falta de posts ultimamente. Eu sei que pode soar como clichê, mas de verdade ultimamente tanto eu, quanto a Mari, a Nessa e o Felipe estamos cheeeios de trabalhos na correria habitual do fim de ano, com isso o blog acabou ficando um pouco de lado mas como a Mari já disse aqui “nós não desistimos da Moda”

Enfim vamos ao que interessa: A Dior irá lançar este mês o livro “Dior Couture” que conta a história da maison por meio dos icônicos vestidos  desenvolvidos por Christian Dior, Yves Saint Lauren e John Galliano, sucessivamente. As fotos são de Patrick Demarchelier e estão incrivelmente deslubrantes. Abaixo vocês conferem um pouco do que irão ver no livro:

 

Agora assistam o vídeo divulgado pela Dior com o making of das fotos:

Fotos e vídeo: Reprodução