Dior, mais drama, por favor.

É bem verdade, e vocês já devem ter percebido isso, que Dior é uma das marcas mais queridas pelos que vos escrevem neste modesto blog.
Não é pra menos, em quesito histórico Christian Dior talvez seja meu segundo favorito, perde para Coco Chanel, meio óbvio, porém ele cria uma das silhuetas que eu mais gosto, o que são muitos e muitos pontos.
Quando aconteceu toda a história do Galliano ano passado nós aqui sofremos, sofremos por um ídolo e por saber o quanto isso afetaria a Dior. E bom, não erramos.
Depois de alguns desfiles sentindo a falta da batuta Gallianesca e de todo o drama que o envolvia, vimos nessa última coleção de alta costura, apresentada em Paris, uma saudade ainda maior.
Muitas vezes a silhueta imortalizada de Christian Dior apareceu, cinturas marcadissímas com saias esvoaçantes ou com saias lápis. Tudo aquilo que sabemos que nunca dará errado sendo refeito sem nenhuma novidade.
Eram looks lindos, confesso, fiquei apaixonada pelo trabalho dos plisses que acrescentavam mais fluidez aos modelos, mas ainda assim não eram novos. Talvez Galliano não fizesse diferente, até porque quem está coordenando a marca agora era seu braço direito, mas ele acrescentaria um pouco mais de charme e performance.
Talvez o que mais me surpreendeu em todo desfile foi a trilha sonora de Lana Del Rey, uma modernidade, possivelmente esperada para outros desfiles, não para Haute Couture, pelo menos por mim.
No mais a gente pede que o drama volte as passarelas, até porque os que envolvem a direção criativa da marca estão perdendo graça, virando novela mexicana e prejudicando muito a imagem da marca.


Fotos: Style.com

Anúncios
Esse post foi publicado em Desfiles e marcado , , , , , , , , por mari.. Guardar link permanente.

Sobre mari.

mari tem vinte e três anos, não gosta de letras maiúsculas, estudou moda e trabalha com criação e desenvolvimento de produtos desde os dezenove. é consumista, coleciona sapatos e é apaixonada por design e bolsas clássicas. quando crescer quer ser ao menos metade do que audrey hepburn foi. é movida por música, sua vida é dirigida por woody allen e tim burton - nos momentos bizarros. lê mais livros que a média das pessoas, porém menos do que gostaria. tem mais sapatos do que consegue usar e ainda assim são poucos. sua ambição até o fim do ano é virar uma centopeia, literalmente, sem estourar no cartão de crédito. disponível em (quase) todas as mídias sociais, e no mah.rosalen at gmail dot com.

Uma resposta em “Dior, mais drama, por favor.

  1. Pingback: O fim do drama e uma uma nova era.. | deep passion for fashion.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s